Evento no Rio promove reflexões sobre Rede Nacional da Primeira Infância

Foi com muita honra que participei da Assembleia da Primeira da Rede Nacional da Primeira Infância, no Rio de Janeiro, no fim do mês de novembro. Estive ao lado de pelo menos 70 defensores dos direitos das crianças, pessoas que vieram de todas as regiões do Brasil para debater políticas, ações e trocar experiências sobre uma das coisas mais valiosas deste mundo: a infância.

Seminário RNPI 2017

O encontro aconteceu nos dias 23 e 24 de novembro, no Museu da República (o lindo Palácio do Catete, no centro do Rio), e fez um grande balanço das atividades da RNPI ao longo dos últimos três anos – período da gestão do CECIP – Centro de Criação de Imagem Popular como secretaria executiva da Rede, além de promover uma reflexão sobre as práticas da RNPI e as ações futuras da Rede. No encontro, também foi celebrada a despedida do CECIP como secretaria executiva da RNPI e a posse da ANDI – Comunicação e Direitos que assumirá como secretaria executiva em janeiro de 201 – além das trocas de informação e afeto, tão comuns aos encontros presenciais dos integrantes da Rede.

No evento, foi lançado o Relatório Técnico do III Seminário PaternidadeS e Primeira Infância (com esse S aí mesmo, representando todas os tipos de paternidades possíveis e imagináveis, sem preconceitos).

Tenho muita honra em fazer parte do Grupo de Trabalho Homens pela Primeira Infância, com gente maravilhosa como o professor Marcus Renato de Carvalho (pediatra, professor da UFRJ e autor do site Aleitamento), Leandro Ziotto (do 4Daddy),  Aguinaldo Campos (Aldeias Infantis SOS Brasil), Fabio Paes (Aldeias Infantis SOS Brasil), Mariana Azevedo (Instituto Papai-Recife), Milena do Carmo (Instituto Promundo Brasil), Simone Valadares (CECIP), Viviane Manso Castello Branco (Comitê Vida/Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro) e Téo Cordeiro – Casa de Parto David Capistrano. 

Um dos temas abordados no seminário foi justamente a adoção. E o relato pode ser baixado na íntegra.

Rede da Primeira Infância

O evento no Rio foi espetacular. Fomos recebidos com uma grande linha do tempo, que listou as principais ações realizadas pela RNPI ao longo dos últimos anos – incluindo cartas enviadas aos congressistas, reuniões de incidência política, eventos, seminários realizados e lançamentos de publicações e vídeos. No primeiro dia, a equipe do CECIP facilitou uma atividade de escuta dos participantes sobre os eixos de ação da secretaria executiva (desenvolvimento institucional, incidência política, comunicação, GTs e projetos) e fez a apresentação de seu relatório final de gestão, compartilhando com a assembleia suas ações, reflexões e aprendizagens.

Maria Mostafa, coordenadora da secretaria executiva, apresentou os dados sobre Desenvolvimento Institucional, dando destaque para o desafio que o crescente aumento de organizações integrantes da RNPI representa para a sua gestão. E ressaltou também o trabalho invisível realizado no processo de gestão de membros, como a contínua atualização dos dados dos mais de 200 integrantes, assim como o processo de entrada dos novos membros, que envolve diferentes etapas.

Em seguida, Dinah Frotté, diretora administrativa do CECIP, apresentou o relatório financeiro com os recursos captados pela equipe da secretaria executiva junto aos parceiros institucionais – Instituto C&A e Fundação Bernard van Leer – assim como de parceiros financiadores de projetos específicos – como Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Alana, Santander. Além do relatório sobre a gestão desses recursos, foram sistematizados alguns desafios permanentes da gestão de uma secretaria executiva da RNPI, como a manutenção e diversificação de fontes de financiamento, a atenção às sinergias e demandas que vem dos parceiros da RNPI, e a necessidade de elaboração e implementação de um Plano de Sustentabilidade.

Comunicação para Primeira Infância

A jornalista Rosa Maria Mattos apresentou as frentes de ação da comunicação da Rede Nacional Primeira Infância, tanto para o público interno quanto para o público externo, e reforçou a importância do fortalecimento do diálogo e troca de informações entre os comunicadores das organizações integrantes como forma de potencializar as divulgações e produções de conteúdo dos membros da rede. Em um contexto de excesso de informação e mudanças constantes no campo da comunicação digital, os dados de crescimento de audiência confirmam que a RNPI é uma referência na produção de conhecimento sobre as crianças de até seis anos de idade, e que tem potencial para continuar crescendo e contribuindo na qualificação dos conteúdos disseminados nas redes sociais – e aprofundados no site da rede.

Simone Valadares falou sobre a potência dos Grupos de Trabalho da RNPI (GT do Brincar, Cultura, Educação Infantil, Participação Infantil, Plano Municipal pela Primeira Infância, Proteção e Prevenção às violências,e Saúde) na produção de conhecimento e incidência política. Em sua reflexão, a partir da experiência no acompanhamento do trabalho dos GTs, analisou que a diversidade de pessoas, lugares e saberes, conectadas pela sinergia de cada GT, possibilita a representação das diferentes infâncias brasileiras, a qualificação dos debates e as trocas de conhecimento.

Claudius Ceccon (CECIP) e Miriam Pragita (ANDI)

Claudius Ceccon apresentou as reflexões sobre as ações de incidência política ao longo dos anos de gestão do CECIP – que viveu um contexto político de grande instabilidade, com o impechment da Presidenta Dilma Rousseff e mudanças nos Ministérios – e de retrocessos no campo dos direitos sociais, promovidos pelo Congresso Nacional. Em sua reflexão, Claudius reforçou a importância das cartas abertas e manifestos como documentos históricos, nos quais a Rede demonstra estar fiel à sua missão, se posicionando de maneira independente face aos governos.

“Nossa reflexão precisa abordar questões como a disputa de concepções sobre a criança em seus primeiros anos de vida. Há uma avalanche de dados que procuram nos convencer que o Brasil não tem condições de assumir o que a Constituição determina destinar à educação e à saúde. Uma visão estreitamente monetarista considera educação e saúde como gastos e não como investimentos essenciais para um melhor futuro para todos”, afirmou Claudius.

Isabella Gregory abordou os projetos especiais que foram realizados ao longo dos últimos três anos – seu legado para a RNPI no aprofundamento de temas e também o desafio de conciliar as atividades de rotina da secretaria executiva com ações pouco flexíveis no âmbito dos projetos. Isabella também apresentou, com maior detalhamento, o projeto do Curso para Elaboração dos Planos Municipais pela Primeira Infância (clique aqui para saber mais).

No fim do primeiro dia, aconteceu uma grande roda de celebração e posse da nova secretaria executiva. O atual coordenador, Claudius Ceccon, do CECIP, fez a passagem de bastão para Miriam Pragita, diretora executiva da ANDI. “Houve momentos inesquecíveis, que passaram a fazer parte de nossas vidas e deixam uma saudade indefinida, que é boa e ao mesmo tempo dói um pouquinho, bem lá no fundo. Boa viagem, Miriam! Você tem muita gente indo junto com você, na mesma direção!”, celebrou Claudius. Miriam Pragita agradeceu a confiança das organizações da Rede Nacional Primeira Infância, e comemorou junto com Ana Potyara, diretora financeira, e Flávia Falcão, jornalista.

Integrantes em atividade do Planejamento Estratégico

O segundo dia de assembleia foi iniciado com a apresentação de um relatório prévio da avaliação externa da Rede Nacional Primeira Infância, que está sendo realizada pela ponteAponte. Em seguida, os participantes fizeram ponderações e comentários sobre a avaliação – e o grupo facilitou uma dinâmica de levantamento de sonhos e projeção de expectativas para compor o planejamento estratégico da RNPI, que também será realizado pela empresa.

Na parte da tarde, o GT Homens pela Primeira Infância fez o lançamento exclusivo do relatório técnico do III Seminário Paternidades e Primeira Infância – que aconteceu em São Paulo, em setembro, sistematizando os debates que aconteceram no evento. Em seguida, Miriam Pragita, da ANDI, apresentou e teve seu plano de ação para 2018 aprovado junto a assembleia. No plano de ação, a ANDI mantém as linhas de ação atuais da secretaria executiva (incidência política, comunicação e desenvolvimento institucional) e acresce uma linha de ação para captação de recursos.

No encerramento, a Assembleia apreciou e fez considerações sobre a minuta do manifesto “Prioridade à criança em tempo de crise”, que traz uma análise do cenário político brasileiro de crise institucional, e propõe uma agenda com pontos de atenção e incidência. O documento foi discutido, aprovado pela maioria dos presentes – e está em fase de finalização.

Com texto de Rosa Maria Mattos – comunicação da Rede Nacional Primeira Infância

You may also like...